Palavra do Presidente

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar sobre

E-mail Imprimir

Embora o tema seja difícil de tratar, falar abertamente sobre o câncer pode ajudar a esclarecer as principais dúvidas, além de aumentar a chance do enfrentamento da doença. Segundo o Instituto Nacional de Câncer - INCA, o câncer de mama é o tipo mais comum entre as mulheres, respondendo por cerca de 28% dos novos casos a cada ano.

Um em cada três casos de câncer pode ser curado se for descoberto no início. Alguns tipos de câncer, entre eles o de mama, apresentam sinais e sintomas em suas fases iniciais. Detectá-los precocemente pode ser decisivo para um tratamento efetivo.

Em 2013, fui acometido com um linfona de holding no Mediastino, na região do tórax. O diagnóstico foi dado após realizar um raio-x para avaliação cardíaca, com vistas a uma cirurgia no joelho. Sou Católico, abracei minha fé, recebi orações de amigos e acreditei que iria vencer essa batalha. Assim, encarei com força as sessões de quimioterapia.

Com fé, como sempre me mantive, iria anunciar minha vitória. No dia 27 de setembro de 2013 comemorei minha cura e continuei com o tratamento até fevereiro de 2014. Porém, muitos, muitas neste caso, por falta de informação, não tem o mesmo destino. É preciso que você mulher, conheça seu corpo, perceba pequenas mudanças nas mamas, além de estar em alerta quanto aos sinais que a doença pode emitir.

A Sociedade Brasileira de Mastologia e a Rede Goiana de Pesquisa em Mastologia, destaca que o número de mamografias realizadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) caiu drasticamente para a  faixa etária de 50 e 69 anos. A meta recomendada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) é de 70%, porém, em 2015, Minas Gerais cumpriu apenas 35,1%.

O INCA recomenda que mulheres de 50 a 69 anos façam uma mamografia a cada dois anos. Já a Sociedade Brasileira de Mastologia indica a realização do exame a partir dos 40 anos, devendo ser realizada anualmente.

Compreendemos a necessidade e apoiamos, pois é preciso garantir que esta incoerência na realização da campanha de prevenção, no que tange ao acesso as mulheres ao exame possa ser sanado.

Não há uma única causa para o surgimento do câncer de mama, diversos são os fatores relacionados, porém, existem fatores de risco como a obesidade e o sobrepeso após a menopausa, sedentarismo, consumo de bebida alcoólica, exposição frequente a radiações ionizantes, entre outros fatores.

Os principais sintomas ou sinais a serem detectados são caroços fixos (geralmente indolor), alterações no bico do peito (mamilo), pele da mama avermelhada, retraída ou parecida com casca de laranja, pequenos nódulos na região embaixo dos braços (axilas) ou no pescoço e saída de líquido anormal das mamas.

Devemos lutar pelo bom e pelo justo. Luto, para que todos tenham acesso à informação e tratamento de qualidade. Senti na pele os efeitos do câncer e acredito que é de fundamental importância que haja ciência, apoio e fé durante o enfrentamento desta doença.

Paz e bem!

Vereador Cláudio Prates

Presidente da Câmara Municipal de Montes Claros


Setembro Amarelo

E-mail Imprimir

Setembro Amarelo é uma campanha de conscientização que visa a prevenção do suicídio. O assunto é complexo, pois reflete em fatores biológicos, genéticos, psicológicos, sociais e culturais. Atividades relacionadas a prevenção e sensibilização incluem caminhadas, material informativo, além de decoração e iluminação de prédios públicos, praças e monumentos com luzes ou itens amarelos. O objetivo da campanha é informar a população acerca desta realidade no Brasil e no mundo.

No Brasil, pelos números oficiais, a média é de 30 mortos por dia. Segundo a Organização Mundial da Saúde, nove em cada dez destes casos poderiam ser prevenidos. De acordo com o boletim epidemiológico sobre suicídio, divulgado pelo Ministério da Saúde, entre 2011 e 2015, 62.804 pessoas tiraram suas próprias vidas no país, 79% delas são homens e 21% são mulheres.

No Brasil, a meta é reduzir em 10% a mortalidade por suicídio até 2020. A redução da taxa de mortalidade faz parte dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) até 2030 Brasil está entre os países que assinou o Plano de Ação em Saúde Mental 2015-2020 lançado pela OPAS com objetivo de acompanhar o número anual de mortes e o desenvolvimento de programas de prevenção.

A vontade de tirar a vida, em geral é provocada pela falta de perspectiva e uma sensação de desamparo e angústia. Há alguns sinais que podem ser identificados por familiares e amigos como comportamentos de risco, porém, é preciso compreender que a depressão e o suicídio não são estratégias para chamar a atenção, muito menos frescura.

O desinteresse pelas atividades que sempre lhe foram prazerosas, aliada ao sentimento de inutilidade e culpa, cansaço, irritabilidade, dificuldade de concentração e de tomar decisões e até mesmo falta de higiene com o próprio corpo são comportamentos de alerta. Essa conscientização pode inclusive eviter a repetição de episódios suicídas.

A Organização Mundial de Saúde catalogou a atividade policial como insalubre, perigosa e geradora de imenso estresse pelo período de contínuo esforço físico e da exigência intermitente de acuidade e higidez mental. Os policiais são os profissionais que mais sofrem tensão no trabalho, por estarem constantemente expostos ao perigo e agressões, no enfrentamento de situações de conflito que demandam sua pronta intervenção, pois têm a missão de garantir, com o risco da própria vida, a integridade física e o patrimônio dos cidadãos. “O policial está sujeito a um grande número de adversidades que são fatores desencadeadores de doenças físicas e psicológicas”, comenta Boudens.

Para mudar esta realidade é preciso desenvolver ações de apoio a grupos que atuem na prevenção ao suicídio. De acordo com a OMS, em 90% dos casos de suicídio, os transtornos emocionais estão presentes, em especial a depressão.

Silvana Antunes, presidente do Núcleo de Apoio à Vida (NAVIMOC), destaca que, aliado à terapia, a pessoa consegue recuperar a esperança e, consequentemente, uma vida de qualidade.

O NAVIMOC entrou em contato com a Câmara Municipal, em busca de viabilizar a conquista de um espaço para realizar atendimentos presenciais, tendo em vista que a ONG atua sem fins lucrativos, políticos ou religiosos. O objetivo, é atuar ministrando palestras, debates, além da elevação do debate para conhecer as causas e sinais emitidos por quem deseja cometer o suicídio.

As ações relacionadas a Campanha Setembro Amarelo, teve seu início em 2015 pelo CVV (Centro de Valorização da Vida), CFM (Conselho Federal de Medicina) e ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria).

Em Montes Claros, o NAVIMOC é uma ONG vinculada ao Centro de Valorização da Vida - CVV, que atua há 55 anos na prevenção do suicídio e valorização da vida. Silvana Antunes destaca que o núcleo ainda não está em funcionamento, a previsão é que os trabalhos sejam iniciados em Novembro.

É importante que o debate sobre a educação emocional e possíveis transtornos que podem levar ao suicídio estejam em pauta. Escolas, ambiente de trabalho e a mídia geral são excelentes canais, porém, é fundamental que estes estejam imbuídos em disseminar a prevenção e a acolhida. É preciso compreender que cada pessoa lida com suas emoções de uma forma diferente. E que cada uma delas precisa do nosso amor, carinho e compreensão.

Precisa conversar?

O anonimato é assegurado para a pessoa que procurar o Centro de Valorização da Vida (CVV). O telefone de contato é o 141 e você pode encontrar mais informações em www.cvv.org.br

Vereador Cláudio Prates

Presidente da Câmara Municipal de Montes Claros


Competências Legislativas Municipais

E-mail Imprimir

Educação política ainda é um dos temas menos debatidos na nossa sociedade. Quanto às competências do poder legislativo, precisamos compreender que, pela Constituição Federal de 1988, no 31º artigo, é assegurado que “a fiscalização do município será exercida pelo Poder Legislativo municipal, mediante controle externo, e pelos sistemas de controle interno do Poder Executivo municipal, na forma da Lei”.

Assim, precisamos entender que esta base da separação das funções públicas deve estar bem clara, pois, impede que um dos poderes exerça a atribuição do outro.

Ao buscar um conceito amplo para definir a Câmara Municipal, podemos conceituá-la como uma organização político-administrativa que não limita as suas funções apenas a criação de Leis.

A Câmara emite parecer sobre as matérias relativas à atuação  municipal, especialmente assuntos de interesse local. Sendo ela, por meio dos seus membros, quem estuda e aprova anualmente o orçamento para o ano seguinte, a Lei de Diretrizes Orçamentárias – LDO, o Plano Diretor, entre outros Projetos de Lei para as diversas áreas da administração pública municipal.

Nosso trabalho como Parlamentar não se resume apenas as Reuniões Ordinárias. Atuamos também através das Comissões Permanentes, estas que apresentam uma função importantíssima dentro da Câmara, sendo responsáveis pelo estudo e emissão de parecer acerca das diversas matérias que determinam o andamento da gestão pública municipal. Nosso corpo técnico é formado por profissionais de alto nível, referência em todo Estado. 

A função fiscalizadora é fundamental para o exercício legislativo. É preciso que nós, Vereadores, sigamos com a liberdade e independência necessária para cumprir com rigor essa missão.

Através de Audiências Públicas a Câmara pode convocar autoridades municipais e pedir esclarecimentos, além de aprovar requerimentos com pedidos de informações. Caso seja necessário, se algum agente público cometer irregularidades durante o exercício da função pública, o Legislativo tem o dever e o direito de formar Comissões Parlamentares de Inquérito.

A função julgadora, é aquela pela qual a Câmara exerce juízo político verdadeiro, exercendo-o sob o prefeito, os Vereadores, por infrações político-administrativas.

Nós, Vereadores de Montes Claros, nos preocupamos com o futuro dos nossos jovens. Principalmente no que tange a sua formação política. E essa luta é antiga, vem desde 2007 com a criação da Escola do Legislativo, que tem o objetivo de criar um espaço de aprimoramento profissional para vereadores e servidores da Casa, oferecer ações que promovam a educação para a cidadania e de fortalecimento do Poder Legislativo regional.

Por meio dela, o Parlamento Jovem, projeto de formação política, possibilita a jovens do ensino médio e superior do município, conhecer a política e os instrumentos de participação no Poder Legislativo no âmbito municipal. O projeto, que é de iniciativa da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) e por meio da Escola do Legislativo (ELE), desde a implantação em Montes Claros, o projeto já atendeu cerca de 400 estudantes.

O projeto, tem por objetivo estimular à formação política e cidadã por meio de atividades que os possibilitem compreender a organização dos Poderes, especialmente o Legislativo, além de reconhecer a importância da participação popular no Parlamento. Além dessa importante missão, o P.J deve propiciar espaço para vivência em situações de estudos e pesquisas, debates, negociações e escolhas, respeitando-se as diferentes opiniões, e, levar os jovens a se interessarem pela agenda sociopolítica de seu município e pelo exercício da participação democrática na discussão e decisão de questões relevantes para a comunidade.

Como Presidente da Câmara Municipal de Montes Claros, afirmo que trabalhamos com a estimulação de formação de massa crítica para que os jovens possam participar ativamente da formalização de politicas públicas, exercendo assim a educação para a cidadania.

Só assim teremos novos pensadores e executores da política e do desenvolvimento da nossa cidade.

Vereador Cláudio Prates
Presidente da Câmara Municipal de Montes Claros


As ventanias de Agosto

E-mail Imprimir

“A marujada vem subindo a rua, 
Suores brilham nos rostos molhados, 
Agosto chega com a ventania, 
Cálice bento e abençoado”

E agosto nos oferece toda a misticidade de uma história de fé e devoção a Nossa Senhora do Rosário, São Benedito e Divino Espírito Santo. Esse patrimônio imaterial se materializa nas cores fortes, nas fitas e nas batidas dos tambores que entoam versos, cantigas, canções e sonhos de um evento, que ganhou contornos genuinamente catrumanos. 

A nossa alma respira e exala cultura com os grupos de catopês, marujos e caboclinhos.

Celebramos a festa do povo, a simbologia da nossa efervescência cultural representada por ícones como Mestre Zanza, João Farias, TIM, Maria do Socorro, Joãos, Marias, Soledades, Josés, Carlos, Tinos e Felicidade…

“No mastro existe para ser louvado”

E nessa época reforçamos a importância em se preservar a memória e a identidade do nosso povo a partir de mastros erguidos na centenária Igreja do Rosário e em cortejos com rei, a rainha e o povo da cidade, da roça e da Capital. 

Louvamos a riqueza da nossa tradição retratada na alegria da vivência dessa arte catrumana. 

“Louvado seja o Santo Rosário
Louvado seja poeira e dor
Louvado seja o sonho infinito”

Sinto-me honrado em integrar os cortejos neste ano quando a festa completa 178 anos. Uma herança portuguesa de negros e índios que conquistou o coração de todos os brasileiros, demonstrando a importância cultural e religiosa desse povo forte, aguerrido e determinado. 

Pela primeira vez participo dos desfiles das Festas de Agosto. É aquela famosa sensação de borboletas no estômago…Um desejo de anos realizado agora num momento importante da minha história. 

As festas de agosto fortalecem a chama da tradição viva em nossas vidas através dos sorrisos e encantamentos de cada participante. É um conjunto de sensações e emoções indescritíveis.

"Montes Claros Montesclareou!"

Vereador Cláudio Prates

Presidente da Câmara Municipal de Montes Claros

 

Os trechos usados no texto fazem parte da Música “Montesclareou”, de Georgino Jr. e Tino Gomes.


Emendas Impositivas

E-mail Imprimir

As emendas impositivas são fundamentais para fortalecer as Câmaras Municipais, em todo os aspectos e o mandato do vereador em particular. Trata-se de uma ferramenta fundamental para a atuação dos legisladores, que terão, mais independência em relação ao Executivo. E poderão garantir recursos para viabilizar obras físicas e sociais em suas bases eleitorais, que reflitam, seguramente, na qualidade de vida da população. Desta forma, os vereadores ficam nas mesmas condições dos deputados estaduais e federais, que têm recursos expressivos de emendas parlamentares para destinar às bases eleitorais de cada um.

As emendas se constituem em avanço significativo e a Câmara e Montes Claros orgulha-se de ter saído na frente, de ser a primeira Câmara do Brasil a lançar mão deste expediente. De ter a visão futurista. E neste contexto, virou referência nacional. Tanto é verdade que câmaras de diferentes regiões do Estado e mesmo do País, buscam aqui, as informações de que necessitam para também implantar as emendas impositivas. O mais interessante é que o gestor será obrigado a cumpri-las, sob pena de responder por crimine de responsabilidade e ter o mandato cassado.

Não há dúvida de que na Câmara Municipal tomamos a decisão correta ao lançarmos mão desta ferramenta, que nos será de extrema relevância no cumprimento do mandato. Para que tenhamos condições de ampliar nossas ações, através da garantia de recursos no orçamento do Município para atender às necessidades básicas da população em diferentes setores. Só para se ter ideia de sua relevância, para o Orçamento de 2018, garantimos algo em torno de R$ 9,2 milhões, que poderemos investir em saúde, segurança, além de viabilizar outros projetos reclamados pela população.

Com as emendas impositivas, a Câmara Municipal dá um passo importante, em nosso mandato na condição de Presidente, para iniciar a construção de uma nova história em Montes Claros. Uma história de um Legislativo que busca cada vez mais sua independência do Executivo e que esteja efetivamente focado e compromissado com a defesa dos interesses coletivos. As emendas impositivas são o divisor de águas na política montes-clarense. Disso, temos certeza.


Vereador Cláudio Prates

Presidente da Câmara Municipal de Montes Claros