Audiência discute situação do atendimento previdenciário

Na manhã de hoje (06/04), através de iniciativa da Vereadora Neia do Criança Feliz (PSDC), a Câmara Municipal de Montes Claros realizou Audiência Pública para debater sobre a situação do Instituto Nacional de Seguridade Nacional – INSS do município. A proponente justificou que o intuito do evento foi ouvir as reivindicações da população a fim de buscar possíveis melhorias no atendimento previdenciário.

Patrícia Dias dos Santos é advogada do Projeto Missão Social que oferece suporte jurídico às pessoas que necessitam de ajuda com a parte burocrática adquirir a aposentadoria. Segundo ela, o INSS de Montes Claros não atende os critérios básicos da dignidade humana e nem as normas institucionais impostas pelo órgão. “Grande parte dos benefícios adquiridos são conseguidos via Justiça Federal, isso mostra a incompetência da instituição, temos casos de pessoas que faleceram e não conseguiram se aposentar. É um descaso com o ser humano”, disse a advogada.

Neia ainda denunciou que não há peritos disponíveis para todos os atendimentos, com isso idosos que vêm da zona rural voltam para casa sem o atendimento. “Outra falha do serviço é quanto o atendimento que acontece somente virtual, através de e-mail e telefone, dificultando acesso daqueles mais humildes, como os moradores de comunidades rurais”, ressaltou a Parlamentar.

A Vereadora Graça da Casa do Motor (PHS) destacou que 60% da população da zona rural não tem acesso à telefonia e nem internet. Já o Legislador Raimundo do INSS pontuou que existem relatos de contribuintes que esperam até três meses para obter resultado de perícia e que essa situação acontece em todo país, pois não existe legislação, apenas portarias de regulamentação.

O Vereador Valdeci Contador (PMN) sugeriu monitorar os atendimentos feitos pelo INSS, pois recebeu denúncia de uma idosa que foi “chamada de burra” por um atendente. O Parlamentar está tomando as medidas judiciais cabíveis quanto o assunto.

Alfredo Alves é cadeirante e está tentando aposentar há dois anos. Ele afirma que já teve o pedido negado diversas vezes, pois, de acordo com os peritos que o avaliou, ele não entra nos critérios básicos para ter o benefício. “Sou cadeirante e vivo sozinho. Tenho todos os exames que foram solicitados, consultas estas que não tinha condições de pagar e graças ao Projeto Missão Social, consegui fazer. Preciso muito desse auxílio”.

De acordo com o gerente-executivo regional do INSS, Wilson Rocha da Silva, o INSS de Montes Claros é responsável por 84 cidades do Norte de Minas o que acaba sobrecarregando os atendimentos. “Nossos profissionais são capacitados para proporcionar melhor qualidade no atendimento. Os nossos médicos peritos devem cumprir certas normas, não podem conceder o beneficio somente olhando para a pessoa, são necessários exames e atestados específicos – cerca de 60% de tudo que é requerido ao INSS, é concedido”, pontuou Wilson.

Assessoria de Comunicação da Câmara Municipal de Montes Claros