Situação dos servidores municipais foi tema de audiência pública

Foi realizada na manhã de hoje (30/03), na Câmara de Montes Claros, Audiência Pública para discutir sobre os direitos dos servidores municipais. A proposta de debate foi de iniciativa do Vereador Wilton Dias (PHS) que pontuou as atuais necessidades do funcionário público, como a Data Base e Plano de Carreira. A Data Base é destinada para a correção salarial e a discussão e revisão das condições de trabalho fixadas em acordo, convenção ou dissídio coletivo – em que os  trabalhadores, organizados através de seus sindicatos, buscam reajuste salarial anual, manutenção de benefícios e obtenção de outros, como por exemplo, vale-refeição, plano de saúde, horas extras com adicional superior ao de lei, adicional de turno e outros.
“Os servidores perderam 50% do valor pago referente ao vale-transporte. Cada vez mais os servidores estão sendo desvalorizados, e agora não tem mais data certa para receber o salário. Pedimos ao Prefeito para encaminhar medidas que possam melhorar a condição de trabalho dos colaboradores”, reivindicou o Wilton.

O representante da Associação dos Servidores de Montes Claros, Luiz Hernane Azevedo, explicou a atual legislação sobre direitos e deveres do funcionário público e apresentou a necessidade de criar políticas públicas voltadas para classe. “A valorização do servidor municipal foi promessa de campanha do prefeito, Humberto Souto, mas, infelizmente isso não está acontecendo. Só está sendo cobrada as obrigações, porém nem o básico estão nos oferecendo”, disse Luiz.

De acordo com o secretário de planejamento, Cláudio Rodrigues, a atual gestão está “arrumando a casa”, quitando dívidas deixadas pela última administração. “Os salários dos servidores eram pagos, mas as dívidas com os fornecedores foram acumulando, cerca de R$80 milhões em notas. Já estamos pagando a folha dos contratados, logo mais tudo estará regulamentado”.

O Vereador Edmilson Magalhães (PP) ressaltou que o pilar mais importante em qualquer empresa é o funcionário, por isso é necessário uma atenção maior. “Devemos lembrar que o assunto em debate foi um dos destaques da campanha do atual prefeito e a população confiou nele para governar a cidade”, destacou.

Já o Legislador Aiton do Vilage (PHS) disse que é preciso rever a situação dos funcionários que eram contratados pela Prefeitura, mas que foram demitidos. Segundo ele, existem casos de famílias que estão passando fome.

O Parlamentar, Soter Magno (PP) observou a falta de representantes convidados, como o presidente do Sindicato dos Servidores Municipais, Flávio Oliva, e do Executivo.

VOZ DO POVO


Durante a Audiência, o público presente apontou algumas reivindicações a cerca do assunto em debate. A médica oftalmologista do Hospital Alpheu de Quadros, Claudine Antunes afirmou que a classe médica do município está de greve há cinco meses, devido a cortes no salário. “Em junho foi reduzido nosso salário, agora em janeiro tivemos o absurdo de receber nosso contracheque no valor de R$207,67 – sabemos da necessidade do povo, cerca de 15 mil consultas estão deixando de ser feitas, mas não podemos trabalhar nessa situação”, postulou.

Em resposta a profissional, a secretária de saúde, Dulce Pimenta disse que o município não tem condições de pagar o teto salarial dos médicos. “Estamos fazendo um levantamento no valor pago em cidades próximas de Montes Claros para termos uma base e dentro da possibilidade do município e da legalidade, vamos regularizar”, justificou.

Assessoria de Comunicação da Câmara Municipal