Servidores dos Correios discutem possível fechamento de agências

Cerca de 40 servidores dos Correios se reuniram, na noite desta terça (15), durante audiência pública na Câmara Municipal de Montes Claros para discutir o possível fechamento de agências na cidade. A solicitação foi feita por representantes do órgão, que explanaram a situação atual dos serviços prestados.

Estiveram presentes no debate o presidente da Casa Legislativa, Cláudio Prates (PTB), os vereadores Elair Gomes (MDB), Aldair Fagundes (PT) e Valdecy contador (PMN), bem como a representante do Sindicato dos Correios em Belo Horizonte, Lauana Neves.

Na oportunidade, o presidente Claúdio Prates (PTB) destacou a precariedade na qual se passa os servidores.

Os Correios sempre estiveram entre as instituições de maior prestígio, respeito e maior credibilidade por parte da população, e o que percebemos nos últimos anos foi o sucateamento da instituição, uma desvalorização das conquistas ao longo da história”, afirma Prates.

Durante a solenidade, a representante do Sindicato dos Correios, de Belo Horizonte, Lauana Neves, considerou o momento ideal para que o público entenda melhor os motivos pelos quais houve a queda de visibilidade e imagem positiva da estatal.

Essa é a oportunidade de passar para a população o que de fato está acontecendo nos Correios, a Câmara tem sido procurada por uma insatisfação não entende o que ocorre atualmente com o órgão. Haja vista que a empresa sempre foi sinônimo de credibilidade, esteve em primeiro lugar de confiabilidade e de um tempo para cá está deixando a desejar nos serviços prestados. O que acontece nesse momento é uma campanha de privatização, de total entrega do patrimônio nacional à iniciativa privada, ao imperialismo internacional. Se for concretizado mesmo o fechamento de postos dos correios, diversas cidades serão prejudicadas, pois em muitas delas os correis funcionam como banco, prestando serviços de pagamento”.

Lauana citou ainda que, embora muitos não reconheçam, os serviços prestados pelas agências vão além de entrega de correspondências, existe uma série de malotes que passam pelas mãos dos carteiros, daí a importância da unidade. O presidente Cláudio Prates destaca que a população precisa estar ciente da funcionalidade dos Correios, bem como os prejuízos advindos do possível fechamento de postos.

O vereador Valdecy (PMN) contador também prestou apoio aos servidores. “Os Correios precisam de ajuda. Nós ficamos tristes quando tomamos conhecimento da situação vivida pelos trabalhadores. Precisamos nos atentar a isso, vamos nos unir, governo municipal, estadual para que não ocorra o fechamento das agências”.

José Geraldo Marinho, carteiro que atua em Montes Claros há mais de dez anos, também manifestou na audiência a insatisfação na mudança da Lei Postal, a qual acarreta impactos na distribuição diária na distribuição de materiais.

Hoje o carteiro, o atendente, o funcionário base, que realmente junto a população, com mais de 350 anos, sempre com solidez inerente a sua estrutura, vemos um governo voltado a deterioração do patrimônio. Essa mudança, vai diminuir ainda mais o atendimento, pois o carteiro não vai mais poder visitar as casas diariamente”, lamenta.

Sobre essa pauta, Cláudio Prates considerou que a população não pode ficar inerte, é preciso reconhecer a importância do órgão e apoiar a luta dos servidores.

Só se dar valor em uma instituição quando os serviços prestados por ela deixam de ser regular e fazem falta a população. Os servidores dos Correios pedem socorro. São mais de 300 anos prestando assistência diária a todo território nacional. Precisamos entender que a importância do órgão não se resume à entrega de correspondências. Ele é responsável pela entrega de documentos sigilosos, pelas provas do Enem, entre várias outras funções, como emissão de documentos”, diz.