Cobrança de estacionamento na UAI é pauta da Câmara de Montes Claros

A primeira reunião ordinária da Câmara Municipal de Montes Claros, realizada nesta terça-feira (31), após o recesso parlamentar, foi marcada por críticas dos vereadores referentes à cobrança de taxa de estacionamento do Shopping Montes Claros de quem  procura a Unidade de Atendimento Integrado (UAI). Usuários isentos da taxa são somente só que agendam serviços de emplacamento e vistoria. Para todos os outros atendimentos o cliente é obrigado a pagar.

No local, também são oferecidas emissão de Carteira de Identidade, Carteira de Trabalho, requerimento de Seguro-Desemprego, intermediação de Mão de Obra, emissão de Passaporte, serviços ligados à Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag), além de atendimentos das unidades prisionais da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap). Pelo menos duas mil pessoas passam diariamente pela unidade.

Cláudio Prates (PTB), Presidente do Legislativo, alertou sobre a necessidade de encontrar uma saída para o problema. Ele foi um dos que lutou para que a sede da UAI mudasse de local. Pois antes funcionava na Avenida João XXIII, uma das mais movimentadas e perigosas da cidade. Ele trabalhou por três anos no local, onde funcionava um posto da Polícia Federal e, via de perto, o perigo que passava quem procurava a unidade.

“A sede foi transferida para um lugar mais espaçoso, mas para ter acesso ao serviço, que é publico, está sendo cobrado pelo estacionamento. As pessoas são obrigadas a pagar R$ 12 onde funciona a UAI. Precisamos de empenho de todos para encontrar uma saída, pois acredito que penar a população com mais uma cobrança não seria justo. Uma pessoa que está desempregada e precisa de tirar um documento ainda ter que pagar pelo estacionamento? Ai é complicado demais”, define Cláudio.

O vereador Wilton Dias (PHS), declarou que foi o primeiro vereador, quando inaugurada a UAI, a alertar que esse problema aconteceria.

"Esta aí. Isto foi conchavo sim de deputado. Hoje o Shopping recebe mais de R$ 30 mil reais para poder ter a UAI ali. E acima de tudo, penaliza a pessoa que precisa de um serviço público", destacou.

Ele citou como exemplo que para fazer uma transferência, a pessoa tem um prazo de 40 minutos. Se exceder o prazo tem que pagar para permanecer na localidade. Para ele, um absurdo.

"Isto está atendendo interesses escusos de políticos  e o povo de Montes Claros tem que entender: o serviço publico é  para atender ao público e não a um ou dois políticos que  estão tirando proveito da instalação da UAI no shopping. Apresentei um Requerimento à Câmara solicitando à MCTrans que tome providências e regulamente um estacionamento popular nas imediações”, enfatizou Wilton.

Rodrigo Cadeirante (REDE) destacou que o assunto tem incomodado ele e parte da população da cidade.

"A população da região sul agradece porque hoje está mais cômodo para resolver  os problemas dela, mas não agradece a forma que está sendo feito. Está indiretamente vinculando um posto prestador de serviço público a um estacionamento privado", destacou o vereador.

Rodrigo comentou também que não sabe quem teve a "brilhante" ideia de colocar a UAI dentro do shopping com estacionamento pago. Ele se colocou na situação  das pessoas que  estão em busca  do primeiro emprego e que vai até o local tirar a carteira de trabalho e tem que pagar estacionamento.

"A pessoa já  passa por todo tipo de dificuldade e tem que  pagar estacionamento  que é um dos mais caros desta cidade. Têm estacionamentos do lado de fora. É opcional, a pessoa entra no shopping, se quiser com seu veículo, mas estes estacionamentos são nas ruas distantes", ressaltou Rodrigo cadeirante, que pediu para que todos se colocassem no lugar das pessoas com deficiência que não consegue se locomover numa distância tão grande”, declarou Rodrigo, lamentou e pediu um posicionamento sobre o assunto.

Procurada pela Assessoria de Comunicação da Câmara, a gerente da Unidade, Vivian Narciso Santos, informou que só poderia se pronunciar sobre o assunto com a autorização do Governo do Estado. O pedido já foi feito, mas ainda aguarda a liberação que tem o prazo de até 48 horas para fazer.