Câmara reivindica reabertura de Cemei na Vila Oliveira

Ascom Câmara Montes Claros Ascom Câmara Montes Claros

Um dos assuntos de destaque da reunião, desta quinta-feira (05), na Câmara Municipal de Montes Claros está relacionado à educação. A reivindicação se deve ao fechamento do Cemei São Norberto, na Vila Oliveira. Um grave problema apresentado é o fato de 120 crianças estarem diretamente prejudicadas e, com isso, precisarem migrar para outros bairros.


“Todos estão pedindo o retorno da escola, fizemos um abaixo-assinado com mais de 1000 assinaturas. Esse problema desencadeia a superlotação de escolas de outras regiões, sem contar que gera a despesa com o transporte. Não tem economia nenhuma, pelo contrário. Educação é à base de tudo, porque em vez de aumentar o número de escolas, estão diminuindo?”, questiona a vereadora Graça da Casa do Motor (PHS).

Outro questionamento feito na reunião está na alegação de que o prédio estava condenado. A vereadora Maria Helena (PPL), que já entrou com requerimento na Câmara pedindo o retorno da unidade, lembra o local será usado para abrigar população de rua. “Mas como o local não serve para as crianças estudarem e pode ser usado para a implantação do Centro de Convívio? Não estamos negando a importância desse abrigo para os moradores de rua, só queremos que seja deslocado para outro local, e que o prédio sirva para as atividades escolares. Tudo isso afeta a educação das crianças carentes, além da questão social, pois as mães trabalham, e isso dificulta. Onde elas vão deixar as crianças?”, indaga.

Alguns pais que se sentiram lesados com a decisão participaram da reunião e levaram cartazes com dizeres relacionados ao poder da educação no combate a violência, principalmente em bairros com vulnerabilidade social.

Na oportunidade, o presidente da casa legislativa, Cláudio Prates (PTB) parafraseou o professor Darcy Ribeiro sobre o poder exercido pela educação. Além de comentar sobre as questões pontuadas pelas vereadoras, o parlamentar ainda destacou a necessidade de terem consultado a população antes da decisão.
“Tive a oportunidade de me reunir com a vereadora Maria Helena (PPL) e com os moradores, com uma liderança que é o Monsenhor Tolentino, eles relataram que a comunidade não foi ouvida. Isso é inadmissível. Como é que se toma uma decisão, sem ouvir a comunidade? O Ministério Público e a justiça também se posicionaram, no sentido de que é a comunidade que sabe. De repente foi decidido isso sem buscar alternativas, soluções. O que não podemos aceitar é o fechamento de um Cemei. Nós temos que buscar alternativas”, declara Cláudio Prates.

Ascom Câmara Municipal de Montes Claros