Legislativo e Executivo se reúnem para debater reflexos da paralisação dos caminhoneiros

Os vereadores se reuniram, nesta terça-feira (29), com o prefeito de Montes Claros, Humberto Souto, para debater possíveis medidas que os dois poderes podem tomar para amenizar os efeitos da greve na cidade. O encontro também serviu para o prefeito expor as ações já adotadas pela Prefeitura em meio à paralisação dos caminhoneiros, que já chega ao nono dia.

Humberto Souto destacou que publicou decreto de Estado de Emergência no Município.

“O Estado de Emergência permite trazer mais agilidade para a administração municipal, uma vez que o decreto permite que a Prefeitura adquira produtos prioritários com dispensa de licitação, como o Diesel S-10, comprado emergencialmente para manter a coleta do lixo”, falou.

Ainda de acordo com o prefeito, o Município tem combustível para manter normalizado o serviço de coleta de lixo e outros serviços básicos da Secretarias, pelos próximos dez dias. E que decretou ponto facultativo no ensino público municipal.

O presidente da Câmara, Cláudio Prates (PTB) ressaltou sobre a importância do encontro, visto que tanto o legislativo como o executivo, fazem parte do Comitê de Crise implantando.

“O encontro tem o objetivo de discutir sobre como minimizar os danos causados pela paralisação, que tem afetado o abastecimento da cidade, não somente de combustível, como de gás e até de alimentos. Debatemos se a busca de ações judiciais seriam de fato o melhor caminho, mas acordamos entre nós que o melhor a fazer é manter o diálogo aberto com a frente da greve, o que até agora tem funcionado bem e tem garantido que o básico não falte durante o período de paralisação”, falou Prates.

O vereador Sóter Magno (PP), destacou que é fundamental que os dois poderes estejam alinhados, visto que não existe certeza de quanto tempo a greve ainda persistirá.

“É um encontro oportuno porque já estamos sentindo os efeitos da greve e a tendência é que esses efeitos ainda se prolonguem mais dias. Então, os dois poderes precisam pensar a longo prazo, para buscar soluções que minimizem os impactos para a população de Montes Claros. A reunião serviu para vereadores e prefeito trocarem ideias de possíveis medidas de uma forma conjunta, diálogo esse que deve continuar acontecendo”, frisou Sóter.

Já Daniel Dias (PCdoB) argumentou que nenhuma ação judicial pode ajudar a cidade, visto que existe uma intervenção maior proposta pelo Governo Federal, que já acionou as forças federais.

“A melhor forma dos poderes municipais atuarem, é mantendo uma relação de diálogo com a frente da greve aqui na nossa região, até porque o movimento está aberto a isso. Além disso, o movimento não está coibindo a passagem de veículos com carregamento que são fundamentais para a  população”, enfatizou o vereador.

Prefeito e vereadores terminaram a reunião definindo que vão acompanhar, de perto, a situação na cidade, visando minimizar as consequências da greve e manter a ordem.

Gestão de crise

Os dois poderes também fazem parte do gabinete de gestão de crise, instalado na tarde desta segunda-feira (28) em Montes Claros o para monitorar o impacto e movimento da greve dos caminhoneiros na região. A Câmara Municipal, representada pelo presidente da Casa, participou de uma reunião na 11ª Região Integrada de Segurança Pública (Risp), onde foi debatido pontos de atuação do grupo. Integram o grupo de gestão, as polícias Militar, Civil, Federal e Rodoviária Federal, Exército Brasileiro, Ministério Público, Prefeitura, Câmara, MCTrans, Samu, Copasa e representantes de postos de combustíveis e comércio.

 

Ascom Câmara Municipal de Montes Claros