Vereadores lutam pela permanência da 67ª Companhia da PM no Major Prates

Vereadores lutam pela permanência da 67ª Companhia da PM no Major Prates Foto: Thiago Silva

Os Vereadores da Câmara Municipal de Montes Claros estão engajados na luta pela permanência do 67ª Companhia da Polícia Militar. Prova disto, foi a mobilização dos vereadores na carreata realizada, no Major Prates.

A 67ª Companhia está no Major Prates desde 1982, sendo a primeira descentralizada de Montes Claros, abrangendo também os bairros adjacentes. O Major Prates está entre um dos maiores bairros de Montes Claros, com um grande fluxo comercial permanente e a feira livre que é realizada aos domingos e reúne dezenas de feirantes.

Estiveram presentes os Vereadores Cláudio Prates (PTB), Valcir da Ademoc (PTB), Dr. Marlon (PTC), Idelfonso da Saúde (PMDB), Edmilson Magalhães (PSDB), Graça da Casa do Motor (PHS), Maria Helena Lopes (PPL), Ildeu Maia (PP), Valdecy Contador (PMN), Wilton Dias (PHS), Daniel Dias (PCdoB) e o Policial Militar Oliveira Lega (PPS), autor do requerimento que solicitava a manutenção do pelotão na região.

Segundo o Vereador Oliveira Lega, “essa mudança seria um retrocesso em termo de segurança pública. Não vemos um ganho real de militares nas ruas, caso concretize essa centralização. Nós como legisladores e os moradores do Grande Major acreditamos fielmente que essa demanda será analisada, conforme a necessidade apresentada diuturnamente na sede dessa companhia”, pontuou.

Cláudio Prates, Presidente da Casa Legislativa, ressalta que esteve em BH, levando demandas aos deputados mineiros. Uma delas era referente ao 67ª Companhia, além de pautas referentes a saúde municipal. "É preciso que busquemos ações efetivas que visem a melhoria da segurança pública em nossa cidade e não seu retrocesso, por isso, considero importante essa união dos parlamentares em prol desta importante pauta", afirma.

Para a Presidente, "o que deveria ser feito é o aumento no número de pelotões, ampliar o número de policiais. E não tirar a polícia de perto da comunidade. A saída da sede física da companhia impacta diretamente na sensação de segurança do grande Major Prates, que compreende bairros no entorno e uma população média de 45 mil pessoas. Não podemos ficar inertes a essa situação. A violência é latente em Montes Claros e essa ação não pode prosseguir".

Maria Helena Lopes, destaca que "a região é considerada como forte polo comercial que atende o grande Major Prates e bairros adjacentes, além de comunidades rurais e cidades vizinhas, assim, a retirada dessa Companhia representa um retrocesso na segurança pública de nossa cidade. Nós, Vereadores, somos legítimos representantes da cidade, assim, conhecemos de perto esta realidade e lutaremos pela permanência desta na região", afirma.

Para Valcir da Ademoc, morador do bairro São Geraldo, "a saída desta companhia para o Ibituruna vai ser um prejuízo enorme para a comunidade do grande Major Prates e grande Maracanã". O Parlamentar destaca que esta companhia esta na região há anos, "além de que nem o município, nem o estado tem despesas com sua manutenção. Esta companhia atua não somente como órgão promovedor de segurança pública, mas também faz parte da história da região, assim, esperamos que o governador possa rever esta decisão", destaca.

Assessoria de Comunicação da Câmara Municipal de Montes Claros