Segurança do Major Prates é pauta da primeira reunião da Câmara de 2018

Segurança do Major Prates é pauta da primeira reunião da Câmara de 2018 Foto: Stret Viw

O primeiro requerimento deste ano da Câmara Municipal de Montes Claros, que deu entrada na reunião ordinária desta terça-feira (23/01), pleiteia a permanência da 67° Companhia de Polícia Militar, no bairro Major Prates, que deve ser transferida para o Ibituruna. O documento será enviado aos deputados federais e estaduais, para o Governador de Minas e também ao Comandante Geral da Polícia Militar.

O requerimento é de iniciativa do Vereador Oliveira Lega (PPS) e contou com assinatura de todos os parlamentares da Casa. A 67° Companhia está no Major Prates desde 1982, sendo a primeira descentralizada de Montes Claros, abrangendo também os bairros adjacentes.

“Essa mudança seria um retrocesso em termo de segurança pública. Não vemos um ganho real de militares nas ruas, caso concretize essa centralização. Nós como legisladores e os moradores do Grande Major acreditamos fielmente que essa demanda será analisada, conforme a necessidade apresentada diuturnamente na sede dessa companhia”, pontuou o Vereador Lega, que também é policial militar.

O Major Prates está entre um dos maiores bairros de Montes Claros, com um grande fluxo comercial permanente e a feira livre que é realizada aos domingos e reúne dezenas de feirantes. O Presidente da Casa, o Vereador Cláudio Prates (PTB), também é contra o encerramento das atividades da companhia. Para ele, essa estratégia contribui para o aumento da criminalidade no segundo maior polo habitacional e comercial da cidade.

“Não podemos ficar inertes a essa situação. A violência é latente em Montes Claros e essa ação não pode prosseguir. O que deveria ser feito é o aumento no número de pelotões, ampliar o número de policiais. E não tirar a polícia de perto da comunidade. A saída da sede física da companhia impacta diretamente na sensação de segurança do grande Major Prates, que compreende bairros no entorno e uma população média de 45 mil pessoas. Somente no Major Prates são 25 mil habitantes. São 490 comércios, incluindo uma agência bancaria. É uma perda grande para a localidade. A segurança vai ser prejudicada. Sabemos que não coibia 100% os crimes, mas inibia a ação dos criminosos”, afirma o vereador Cláudio Prates.

O Vereador Wilton Dias (PHS) destacou que é preciso unir forças para não deixar que a região do Grande Major Prates fique sem o patrulhamento extensivo no local.

Na próxima sexta-feira (26) está previsto um protesto dos moradores reivindicando a permanência do pelotão no local. A Parlamentar Maria Helena (PPL) disse que estará presente no manifesto. Já o Legislador Daniel Dias (PCdoB) pediu a intervenção do deputado estadual Paulo Guedes (PT) nessa ação, que para ele, não pode prosseguir.

Assessoria de Comunicação da Câmara Municipal de Montes Claros