Mecanismos para inserção do jovem no mercado de trabalho e combate à violência pautam Audiência Pública

Mecanismos para inserção do jovem no mercado de trabalho e combate à violência pautam Audiência Pública ASCOM Câmara Montes Claros

Políticas Públicas de combate à violência, a inserção do jovem no mercado de trabalho, criação do Centro de Referência para a Juventude e a elaboração do Plano Municipal de Juventude, pautaram as principais cobranças durante a Audiência Pública realizada nesta quinta-feira (09), na Câmara Municipal de Montes Claros. A reunião, de iniciativa do Vereador Daniel Dias (PCdoB), teve como objetivo o debate e a realização de um mapa das ações em prol da juventude no município.

"Entendemos que a nossa juventude cumpre um importante papel e vem sendo reconhecida como sujeito detentora de direitos. No Brasil, é esta parcela da sociedade que mais mata, morre e sofre com a violência. Assim, precisamos elaborar um Plano Municipal que possibilite a aplicação de políticas que visem o combate à esta violência, além de indicar diretrizes a curto, médio e longo prazo" destaca o Vereador.

Barbara Ravenna, representante do Conselho Estadual de Juventude, destacou que as políticas públicas para a juventude é um feito recente. "O estatuto, criado há 10 anos, serve como norte para a execução das diretrizes para a juventude. A nível estadual, tivemos como foco a inclusão de toda a juventude, seja ela urbana, rural, ribeirinha e moradora de rua", pontua.

Se mantidos os atuais índices de violência, desde 2015 até 2021, serão mortos 43 mil adolescentes entre 12 a 18 anos. As estatísticas mostram que jovens negros têm 2,8 vezes mais chances de serem assassinados do que jovens brancos. Este é o demonstrativo da pesquisa, realizada pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância - Unicef, Secretaria dos Direitos Humanos, o Observatório das Favelas e o Laboratório de Análise da Violência da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).

Lucas Fabiano, representante da Pastoral Arquidiocesana da Juventude, cobrou políticas públicas com vistas a inserção do jovem no mercado de trabalho, bem como mecanismos para a retirada destes das áreas de risco, podendo assim ser incorporadas ações que visem a educação, emprego e esporte. Dilson Marques, da Pastoral Carcerária de Montes Claros, destacou que, cerca de 75% dos presos em Montes Claros, em uma base de 2 mil pessoas são jovens, com idade entre 18 a 29 anos.

Nayara Oliveira, representante da Federação dos Trabalhadores e Agricultura de Minas Gerais - FETAEMG, cobrou políticas públicas voltadas a juventude rural. "Nós, juventude do campo, temos força para lutar, para buscar nossos direitos, mas queremos estes para o campo. Não queremos ter que vir à cidade para buscar educação, saúde, lazer, é preciso que o campo esteja preparado para nos atender", pontua.

O Secretário Municipal de Juventude e Esporte, Igor Dias, ressaltou que, benefícios importantes como a conquista do meio passe estudantil, a construção do Restaurante Universitário e da sede do DCE da Unimontes  vieram do Movimento Estudantil, feito principalmente por jovens. "Precisamos criar um Centro de Referência da Juventude, para que estas pautas, entre outras, possam ser debatidas com a principal interessada. Precisamos ir à gênese e trabalhar em parceria com órgãos que possibilite esta inserção e capacitação do jovem ao primeiro emprego", afirma.

Rosimeire Gomes, da Associação Minas Social, destacou que existem vagas na cidade para o jovem, o que falta é publicidade e investimento em capacitação para que estes, possam assumir e permanecer nas empresas. "Atuamos na preparação de jovens em situação de risco e vulnerabilidade social para o mercado de trabalho, porém, precisamos de apoio para continuar e ampliar este ofício", cobra.

Assessoria de Comunicação da Câmara Municipal de Montes Claros